quinta-feira, 2 de junho de 2011

MODELO DE PROJETO


Com a finalidade de cooperar com meus colegas professores segue o post para melhor orientá-los!!! Não deixe de comentar!!! Abraços



SOPHIA NAVES MATOS  NEVES












PROJETO: ALCANÇANDO NOVOS HORIZONTES ATRAVÉS DA LEITURA: BESOURO E PRATA
ANA MARIA MACHADO






Escola Municipal Caraíbas
Aparecida de Goiânia, agosto de 2008.






SUMÁRIO


I. JUSTIFICATIVA .....................................................................................04
II. OBJETIVOS...........................................................................................06
2.1 GERAL .................................................................................................06
2.2 ESPECÍFICOS.....................................................................................06
III. CONTEÚDOS.......................................................................................07
IV. METODOLOGIA..................................................................................08
V. AVALIAÇÃO .......................................................................................08
VI. CONCLUSÃO ....................................................................................09
VII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.................................................10





I.    JUSTIFICATIVA


"Ah! Como é importante na formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão de mundo..." (ABRAMOVICH, 1997).
            Diante das dificuldades apresentadas durante as reuniões dos professores das séries iniciais, discutiu-se bastante a problemática  da falta de interesse dos alunos para com a leitura e escrita.
Até pouco tempo a questão da escola ficava limitada entre ser tradicional e ser moderna. Hoje o que tem ganhado força nas discussões são temas como o da autonomia, cidadania e participação. Já que tudo indica que no contexto da nova ordem mundial e da velocidade das transformações enfrentadas pela sociedade contemporânea, a função social da escola tem se constituído em objeto de debates por diversos segmentos da sociedade.
            Para Gadotti Projetar significa:
“... tentar quebrar um estado confortável para arriscar-se a atravessar um período de instabilidade e buscar nova estabilidade em função da promessa que cada projeto contém de estado melhor que o presente”. (GADOTTI, 1994, p. 579)

Nesse processo de reflexividade, é possível observar  que não há discordância de que cabe à instituição escolar formar cidadãos críticos e participativos, com consciência e clareza das fronteiras no que diz respeito aos seus direitos e deveres.
Ora, a leitura permite sonhar, enfrentar medos, vencer angústias, desenvolver a imaginação, viver outras vidas, conhecer outras civilizações e outros. Nesse sentido, percebemos que, no decorrer da história, a leitura tem sido motivo de inquietação tanto de educadores como de psicólogos. É por isso que FREIRE (1982) afirma que o ato de ler deve se sempre visto a partir de uma perspectiva crítica.
Diante desta triste realidade, a elaboração de uma complexa pergunta torna-se muito persistente: que alternativas a escola deve buscar para organizar o trabalho pedagógico, numa perspectiva crítica e democrática, visando contribuir para a formação de um cidadão autônomo e reflexivo, sem a perda dos laços de solidariedade social? Bem, todos nós precisamos efetivamente refletir sobre esta indagação e a escola necessita compreender que a sua função vai além da mera transmissão do conhecimento sistematizado, à medida que precisa conceber, organizar e avaliar o trabalho que produz. Sob este aspecto, é preciso examinar as práticas que eles próprios desenvolvem, buscando compreender as possibilidades que o seu trabalho apresenta rumo à construção da democracia na escola.
Nessa perspectiva é necessário alcançarmos novas metas que favoreçam o desenvolvimento de atividades junto às crianças e à escola, possibilitando a nós profissionais, maiores conhecimentos e subsídios para o aprimoramento das habilidades e atitudes coerentes com o exercício da leitura e da escrita, fator de maior preocupação entre professores e pais de alunos.
Quando a escola assume a responsabilidade de atuar na transformação e na busca do desenvolvimento social, seus agentes devem empenhar-se na elaboração de uma proposta para a realização desse objetivo.

Caracterização do problema
O problema se caracteriza pelas dificuldades na aquisição da leitura. 
Nossa intenção é amenizar os diversos problemas gerados a partir dos conflitos sociais e familiares.
Devemos antes de tudo criar laços de afetividade com as crianças partindo do princípio que a educação só é possível com amor. O afeto supera as dificuldades e afasta possíveis insegurança de ambas as partes; professores e alunos.



A quem se destina o projeto? 

            Destina-se as crianças portadoras de dificuldade na leitura e escrita. 
 O propósito de auxiliá-las no desenvolvimento de suas habilidades, contando para isto com a troca de idéias e de novas metodologias com os colegas de magistério da escola local.




            II.   OBJETIVOS
                                             
2.1 – Objetivos Gerais
Ø  Promover o desenvolvimento da sensibilidade e inteligência visando à formação integral;
Ø  Valorizar a importância da leitura e escrita (letramento);
Ø  Estimular para o hábito da leitura.
Ø  Encontrar na leitura e na escrita  um instrumento de aprendizagem, reconhecendo a sua importância diante do mundo letrado.

2.2 -  Objetivos Específicos:
Ø  Utilizar a linguagem como instrumento de aprendizagem, sabendo como
proceder para ter acesso, compreender e fazer uso de informações contidas nos textos.
Ø  Reconhecer e valorizar a linguagem de seu grupo social como instrumento adequado e eficiente na comunicação cotidiana, na elaboração artística e mesmo nas interações com pessoas de outros grupos sociais que se expressem por meio de outras variedades;
Ø  Produzir textos escritos coesos e coerentes, considerando o leitor e o objeto da mensagem, começando a identificar o gênero e o suporte que melhor atendem à intenção comunicativa;
Ø  Escrever textos dos gêneros previstos para a sua idade, utilizando a escrita alfabética e preocupando-se com a forma ortográfica;
Ø  Reconhecimento da necessidade da língua escrita (a partir de organização coletiva e com ajuda) para planejar e realizar tarefas concretas;

2.3 - Objetivos conceituais
Ø  Exercitar a imaginação, a criação e a percepção de mundo através da leitura e interpretação de histórias;
Ø  Utilizar a linguagem oral e escrita explorando a riqueza e os detalhes dos contos de fadas e estimulando a consciência fonológica;
Ø  Observar a estrutura e as características das narrativas;

2.4 - Objetivos procedimentais
Ø  Contar e recontar histórias observando a seqüência lógica, bem como criar novas versões;
Ø  Produzir textos coletivos e individuais;
Ø  Objetivos atitudinais;
Ø  Valorizar o imaginário da criança, bem como suas potencialidades e virtudes;
Ø  Favorecer o desenvolvimento de atitudes de cooperação e respeito, vislumbrando as diferenças e enaltecendo a diversidade.



III. CONTEÚDOS

Ø  Leitura e releitura de histórias;
Ø  Contação e dramatização da história (sensibilização);
Ø  Criação, adaptação e interpretação de textos;
Ø  Estimulação para a tentativa de leitura;
Ø  Reflexão sobre as virtudes envolvidas no conto apresentado;
Ø  Treino de versos e músicas relativas a história trabalhada;
Ø  Sílabas simples e complexas;
Ø  Produção textual e de desenho
Ø  Formação de frases
Ø  Sinônimo e antônimo
Ø  Uso do dicionário
Ø  Adjetivos
Ø  Diversidade textual (literário, Contos, poemas, poesia, advinhas, quadrinhas, etc)
Ø  Dificuldade Ortográfica p/b, f/v, t/d
Ø  Número do substantivo, grau do substantivo e gênero do substantivo
Ø  Situações problemas
Ø  Geometria: Sólidos Geométricos
Ø  Mosaicos
Ø  Recursos naturais
Ø  Meio ambiente
Ø  Espaço em que vivemos
Ø  Tipos de animais: vertebrados e invertebrados
Ø  Insetos nocivos e não nocivos
Ø  Diversidade étnica e cultural
Ø  Valores Éticos e Morais


IV. METODOLOGIA

Este projeto será numa perspectiva teórica, tendo como principais referências MARTINS(1982), FREIRE (1982), GADOTTI (1994) além de outros que se tornaram necessários para a compreensão.
Contudo a conquista dos objetivos nas séries iniciais dependerá de uma prática educativa que tenha como eixo a formação de um cidadão autônomo e participativo. Cada aluno é e sempre será sujeito de seu processo de aprendizagem enquanto o professor é o mediador na interação dos alunos com o conhecimento. Desse modo, a intervenção do professor na criação e estimulação de situações de aprendizagem se torna fundamental.
De acordo com MARTINS (1982, p. 27):

“... o receio de um diálogo franco e crítico entre o professor e o aluno de ambos com seu material de trabalho, bloqueando oportunidades raras de realizarem-se leituras efetivas, conseqüentes, de se desenvolverem verdadeiros leitores.”



Diante disso, sabemos que é necessário que criança seja preparada para a vida futura, preparo este baseado nas coisas que correspondem às suas necessidades e interesses do presente.
Emprego de recursos visuais, tais como: cartazes, fotos, livro literário. Televisão de papelão com a história em foco.
Composição de poesias e quadrinhas baseadas na obra literária apresentada. Jogos, recorte de revistas e jornais. Produção de textos diversos. Aula ao ar livre, (no pátio da escola) buscando a integração com a natureza e identificação com a historia contada.
Usar o livro literário: O besouro e prata, de Ana Maria Machado, como instrumento principal, fazendo a leitura do livro com intuito de despertar o interesse e a sensibilidade auditiva. Promover atividades de interpretação e gramática a partir do mesmo. Localizar na obra palavras que não entendam o significado, pesquisar no dicionário.
Dramatização da história.
        A culminância do projeto será a confecção do reconto, viabilizando uma tarde de autógrafos das obras, que poderá ser formatada com recurso de computador e digitalização dos desenhos feitos e então xerocopiadas.
1ª Etapa: Através da apresentação da obra, criando um clima de expectativa e surpresa.
2ª Etapa: Apresentar a história por etapas e deixar sempre um suspense para o dia seguinte.
3ª Etapa: Discutir no grupo as atitudes que são corretas e as que não são e aplicá-las à realidade
4ª Etapa: Dramatização da história.
5ª Etapa: Brincadeiras de roda no pátio, reviver brincadeiras antigas
6ª Etapa: Produção de Texto: Reconto da história
7ª Etapa: Confecção do livro literário baseado no roteiro apresentado na 6ª Etapa e o lançamento do livro.
Será realizado do dia 1º de setembro até o dia 10 de outubro
V. AVALIAÇÃO


Será feita de forma contínua e sistemática através de observação e realização das atividades propostas. Que o aluno reconte oralmente as histórias que ouviu e leu, procurando manter a ordem temporal dos fatos e o tipo de relação existente entre eles, bem como o registro dessas informações. Tudo isso será objeto de avaliação.






VI. CONCLUSÃO PARCIAL


Até este momento pude perceber que para aprender a ler e a escrever é preciso pensar sobre a escrita, pensar sobre o que a escrita representa e como ela representa graficamente a linguagem.
Ouvir e ler histórias é entrar em um mundo encantador, cheio ou não de mistérios e surpresas, mas sempre muito interessante, curioso, que diverte e ensina.
É na relação lúdica e prazerosa da criança com a obra literária que formamos
o leitor. A criança aprende brincando em um mundo de imaginação, sonhos e
 fantasias. Desta forma, é através de experiências felizes com as histórias, os contos clássicos infantis e as lendas em sala de aula que a criança tem a possibilidade de interagir com diversos textos trabalhados, possibilitando o entendimento do mundo em que vivem e possibilitando a construção de seu próprio conhecimento.
















             VII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/ SET, V.Z, 1997, 144p.
FREIRE, Paulo, A importância do ato de ler.(em três artigos que se completam) 45 ed. São Paulo: Cortez, 1982.
GADOTTI, Moacir. Projeto Político-Pedagógico da escola:fundamentos para sua realização. In.: GADOTTI; ROMÃO; JOSÉ E. (orgs). Autonomia da escola – princípios e propostas. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000, p. 33-41.
_________ Educação e poder. São Paulo: Cortez, 2001.
_________ Pensamento Pedagógico Brasileiro. São Paulo: Ática, 1990.
_________ Diversidade Cultural e Educação para Todos. Rio de Janeiro: Graal, 1992.
MACHADO, Ana Maria. Besouro e Prata. São Paulo: Ática, 1999. 22 p. Coleção: Barquinho de Papel Ilustrador: Rosana Munhoz
 
MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. 19.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p 74. Coleção Primeiros Passos.

PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva  no ofício de professor: Profissionalização e Razão Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.
_________ Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário